A Associação Cearense de Pilotos e Navegadores tem por finalidade promover, incentivar e divulgar as atividades de pilotos e navegadores de veículos "fora de estrada"; organizar eventos "fora de estrada" de caráter esportivo, técnico ou recreativo; defender direitos, interesses e prerrogativas de seus associados; promover cursos, palestras, reuniões, debates, seminários e congressos direcionados aos associados nos assuntos afeitos à atividade "fora de estrada"; manter intercâmbio de conhecimentos, visando o aprimoramento técnico de seus associados, prestando, sobretudo, assessoria aos membros da ACPN; zelar para que sejam observadas todas as regras e padrões que digam respeito a uma boa conduta em veículos "fora de estrada", especialmente com respeito às leis de trânsito; prestar auxílio a órgãos públicos governamentais, tanto Federais, como Estaduais ou Municipais e entidades de cunho social e assistencial, quando assim requisitado ou por deliberação voluntária da mesma, por ocasião de situações em que se torne necessário o uso de veículos com características especiais de tração e mobilidade.

O Campeonato Cearense de Rally é o campeonato de rally de regularidade mais longevo do Brasil em atividade initerrupta. Encontra-se na sua 29ª edição. O CCR mantém as seguintes categorias: Carro 4x4 Master, Graduados, Turismo, Estreante e Experience Day. E ainda conta com os pilotos de Motos, Quadriciclos e UTV's - Graduados e Estreantes.

Rally de Regularidade é uma prova automobilística na qual o objetivo da equipe, piloto e navegador, é seguir o trajeto determinado pela organização mantendo médias horárias pré-estabelecidas. Normalmente é realizada em estradas não pavimentadas e trilhas que podem ser abertas ou fechadas ao trânsito normal de veículos. Mesmo sendo uma competição com a participação de vários veículos não há disputa direta de posições entre os competidores.

A largada ocorre de 1 em 1 minuto e normalmente não ocorrem ultrapassagens durante a prova pois todas as equipes devem manter a mesma velocidade. As equipes competem contra sua própria capacidade de manter as médias horárias e o caminho correto.

As médias variam no decorrer da prova e são compatíveis com o terreno onde a prova se desenvolve e categoria dos competidores. As médias impostas em trechos perigosos são bem reduzidas ou limitadas por radar sujeitando as equipes a penalizações. Tudo para manter a segurança e integridade dos competidores.